Cultura - Música

Choro: música de uma transição cultural - entrevista com Sergio Prata - "E os historiadores dizem que, justamente a forma de se tocar a polca, não no piano, mas com os instrumentos do homem da rua é que começa a acontecer a mudança. O homem de rua pega o violão, o cavaquinho, a flauta, o oficleide, o clarinete e começa a tocar, ainda com aquele formato de polca, em dois por quatro, mas já começa a colocar um pouco também, de seu DNA africano, com aquela malemolência ... "

Salve Clementina! - “Uma grande lição que não pode ser esquecida: é a alegre coragem de viver do povo” - José Ramos Tinhorão - "[...] a velha Clementina não é uma cantora comum lançando o seu canto de cisne no ocaso da vida e da carreira, mas a antiga pastorinha dos Natais do início do século em Jacarepaguá, ensinando às meninas de hoje o canto eterno do povo."

Candeia: Samba e Resistência - “Estou chegando... Venho com fé. Respeito mitos e tradições. Trago um canto negro. Busco a liberdade. Não admito moldes. As forças contrárias são muitas. Não faz mal... Meus pés estão no chão. Tenho certeza da vitória.[...]"

O Choro sempre foi inovador - Sergio Prata - Por ter raízes sociais profundas e alta qualidade musical, o Choro nos dias de hoje segue se renovando, embora os meios de comunicação (Tvs, rádios) pouco façam para divulgá-lo.

As sete dicas de Tinhorão para ouvir "Cartola" - José Ramos Tinhorão - "Por incrível que pareça, esse disco (Cartola - Disco Marcus Pereira 403.5007) que só a perspectiva histórica permitirá compreender a verdadeira importância, no futuro, é o primeiro long-play de um dos poucos verdadeiros gênios da música popular brasileira, o compositor Angenor de Oliveira, chamado Cartola."

Reverência ao Mestre Dino, com carinho - Dino conseguia “a façanha de se destacar sem nunca invadir o espaço dos outros instrumentos ou do cantor. Ao contrário, ele os valoriza. Suas gravações são clássicas não só porque ele toca muito bem, mas porque ele faz os outros tocarem e cantarem melhor”.

João do Vale, poeta do povo - João do Vale, deixou canções com letras fortes (como os sertanejos) e contagiantes que alegram festas e forrós, mas que muita gente desconhece serem de sua autoria.

Os Regionais e o Choro - Sergio Prata - O choro se preparava para o Séc. XXI. A todos os integrantes dos históricos grupos regionais, mestres que nos legaram uma escola de criatividade e de excelência musical, a nossa homenagem.

Isto é bom que dói - Monarco - Um dos melhores sambistas de nosso tempo, Monarco (ou Hildemar Diniz) criou algumas músicas e escolheu um repertório representativo dos bambas para ser referência do ritmo em qualquer seleção.

Tributo a Jacob do Bandolim - livro de Sergio Prata e Maria Vicencia Pugliesi lançado pelo CeCAC em 2002 apresenta a discografia completa do virtuose e defensor do choro.

Esta página encontra-se em www.cecac.org.br